Pages

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

RESENHA DE LIVRO

Turminha, este é o texto sobre resenha mais simples para ajudá-los.

Critica ou resenha


Criticar ou resenhar é examinar aspectos relevantes de um texto, de uma obra de um evento, sabendo-se com clareza onde se quer chegar com essa crítica. São textos que buscam submeter a uma análise crítica uma produção cultural: livros, filmes, exposições, CDs, etc. Por meio de informações e comentários , o autor explicita ao leitor sua opinião a respeito do objeto resenhado, apresentando argumentos que a embasam.

A resenha crítica vem pontuada de apreciações, notas e correlações estabelecidas pelo juízo crítico de quem a elaborou, por isso, desenvolve o senso crítico , ponto decisivo para produção de textos seus. Nessa atividade  sua opinião conta, e muito!

A resenha, por ser um texto de discurso descritivo, nunca pode ser exaustiva. O resenhador deve proceder seletivamente, filtrando apenas os aspectos pertinentes do objeto, isto é, apenas aquilo que é funcional em vista de uma intenção previamente definida.
(José Luiz Fiorin e Francico Platão Savioli. Para entender o texto. São Paulo: Ática, 1993. P426)

Leia a seguir a crítica ou resenha de uma novela do escritor realista russo Dostoiévski, publicada no jornal Folha de S. Paulo

É preciso certa coragem para se aproximar do universo de Fiódor Dostoiévski (1821-1881). Há a famosa profusão dos nomes russos e de seus diminutivos; a trama cheia de nós que não desatam; uma impressão constante de congestionamento espacial, de asfixia, de superpopulação; sem contar o próprio tamanho dos romances mais famosos -"Crime e Castigo", "Os Irmãos Karamázov"...

 

 

 

A dócil

Novela do escritor russo ganha duas traduções diferentes no Brasil
Em Dostoiévski, erro humano se entrelaça à ausência de Deus

Marcelo Coelho
Colunista da Folha

Uma novela curta como "A Dócil" não tem por que intimidar tanto o leitor. Exceto por uma razão, bem mais profunda do que as citadas acima. O principal motivo para o medo que Dostoiévski possa inspirar talvez esteja na seriedade, na gravidade com que encara a capacidade humana para o erro, para o pecado, para o mal. Quando lemos um romance como "Madame Bovary", de Flaubert, ou "Dom Casmurro", de Machado de Assis, certamente acompanhamos com bastante consternação os deslizes e as misérias de seus protagonistas. Mas, de alguma forma, Bentinho ou Emma Bovary estão um pouco distantes de nós; o que vemos são casos exemplares, quase que diagnósticos morais, delimitados -magistralmente, é claro- em si mesmos.
Essa distância chega a conferir um caráter algo cômico a esses romances, se comparados aos de Dostoiévski -em que as personagens se debatem com tentações e misérias morais que reconhecemos de imediato como sendo nossas. O que assusta é que não as julgávamos, talvez, tão graves; mas Dostoiévski apresenta todo erro humano como sinal de danação, ou melhor, de uma radical ausência de Deus.

Um breve diálogo, um curto raciocínio, um pouco de calculismo nas relações já nos precipitam aos caminhos da perdição mais irrespirável. Em "A Dócil" haveria material para um longo romance: o narrador, de origem nobre, perde sua patente militar num episódio em que foi acusado de covardia. Torna-se dono de uma casa de penhores. Uma jovem de 16 anos -a "dócil" do título- está na miséria. O narrador protege-a, humilha-a, toma-a em casamento. E é só o começo de uma história de crueldade moral e de dependência psíquica sem limites.

O narrador conta tudo aos borbotões, algumas horas depois do suicídio da mulher. O que aconteceu? Por que ela se matou? Em poucas páginas, estamos confrontados com uma situação psicológica de extrema complexidade; impossível alcançar todos os motivos da personagem. Seu ato, como no caso de Cristo, é ao mesmo tempo sacrifício e acusação, promessa regeneradora e expiação dos pecados de outrem.

O texto ganha corpo, e a voz do narrador adquire uma presença quase física, à medida que este se corrige, se recrimina, se retorce em busca de uma explicação para o que ocorreu. Ele passa de algoz a vítima com tamanha rapidez que a chave do mistério parece ter-se perdido no meio do caminho; de qualquer modo, desconfiamos dele. Ao mesmo tempo, acompanhamos seus pensamentos no momento mesmo em que aparecem; essa técnica, a "hipótese de um estenógrafo que anotaria tudo", diz Dostoiévski na introdução da novela, "é o que chamo de fantástico nessa narrativa".

A tradução de Fátima Bianchi, para a Cosac e Naify, é mais "literária". A de Vadim Nikitin, para a 34, pareceu-me mais clara e coloquial; no próprio excesso de notas de rodapé, é como se reproduzisse a ansiedade do narrador. Comparem-se as traduções de um trecho bem do início do livro, onde já podemos entrever, na jactância do narrador ao conquistar a "dócil", o mal que se desencadeará.

"Eu, quer dizer, por mim, gosto das orgulhosinhas. As orgulhosas são particularmente belas quando... bem, quando já não se duvida do poder que se tem sobre elas, hein? Ah, que homem baixo, canhestro!" (Vadim Nikitin). Na tradução de Fátima Bianchi: "Quanto a mim, digo, gosto das orgulhosinhas. As orgulhosas são particularmente boas quando... bem, quando já não se duvida do próprio poder sobre elas, não é? Oh, que sujeito inconveniente, infame!".

A edição da Cosac tem ilustrações de Lasar Segall, e comentário primoroso de Augusto Massi. A da 34 traz outra novela curta de Dostoiévski, "O Sonho de um Homem Ridículo", um tanto abstrata e edificante, mas cujo primeiro capítulo, opondo as forças da miséria e do suicídio, já nos lança ao mundo terrível do autor. Vencido o medo, sair dele não é fácil.

Duas Narrativas Fantásticas - A Dócil e Sonho de um Homem Ridículo (128 págs.)

Autor: Fiódor Dostoiévski

Tradução: Vadim Nikitin

Editora: 34


Uma Criatura Dócil (93 págs.)

Autor: Fiódor Dostoiévski

Tradução: Fátima Bianchi

Ilustrações: Lasar Segall

Editora: Cosac e Naify
 
 
 
Fonte:http://editora.cosacnaify.com.br/ObraImprensaLeiaMais/271/Marcelo-Coelho.aspx

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário